Desenvolvimento Econômico e Emprego



A gestão municipal é decisiva para o desenvolvimento da economia local, sobretudo neste contexto pós-coronavírus. As prefeituras são responsáveis por vários serviços que podem facilitar o desenvolvimento e melhorar o ambiente de negócios, através de incentivos para apoiar a expansão de atividades econômicas, tais como: fornecer educação e treinamento aos comerciantes, apoiar o desenvolvimento de pequenos empresários, comunidades e cooperativas, agricultura familiar, e melhorar a infraestrutura, de modo a possibilitar a criação de um ambiente de negócios favorável, que atraia investimentos e gere EMPREGO E RENDA para todos.


São Vicente apresenta, como já mostrado, números em sua economia muito abaixo da média regional, além de ser muito dependente de recursos vindos dos governos Estadual e Federal. Para termos uma ideia, nos últimos anos, 50% de todos os recursos financeiros da nossa cidade foram originados de transferências correntes do governo federal e do estado, o que significa que os recursos próprios que o município arrecada representam apenas os outros 50% do total de recursos da cidade.
Neste cenário é preciso encontrar soluções para o DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA LOCAL, de acordo com as nossas vocações e potenciais. Temos um comércio popular forte, que pode ser ainda mais desenvolvido. O comércio varejista é o que mais emprega na cidade, e gera 10.000 postos de trabalho. Possuímos ainda riquezas naturais como as praias, cachoeiras, rios e matas, e também um patrimônio histórico importante, formando um conjunto de elementos que permitem o desenvolvimento das atividades de Turismo, Cultura e Lazer.
Pensar no desenvolvimento econômico para São Vicente é também estimular o empreendedorismo e fomentar o desenvolvimento de outras áreas: Inovação e Tecnologia; Cooperativismo local; Economia Criativa e Solidária, atividades Náuticas e de Pesca.

✅Consolidar o Centro Comercial de São Vicente

como um competitivo polo de compras da Região Metropolitana da Baixada Santista;

✅Promover o Desenvolvimento Econômico e Imobiliário da Área Continental

através de projetos urbanísticos, leis de incentivo e apoio técnico ao comércio local;

✅Estimular o pequeno e microempreendedor

ampliando e qualificando os serviços de apoio;

✅Incentivar e apoiar

a formalização de microempreendedores individuais;

✅Gerar oportunidades de empreendedorismo

e trabalho para jovens e mulheres;

✅Desenvolver a economia solidária e criativa

articulando parcerias com os governos estadual e federal e instituições nacionais e internacionais;

✅Promover e orientar o acesso ao microcrédito

através do Banco do Povo Paulista;

✅Estimular a qualificação técnica e profissional

de acordo com as demandas do mercado;

✅Criar no município um ambiente para o desenvolvimento

de atividades voltadas à Inovação;

✅Criar uma vitrine virtual

para divulgação de produtos elaborados por artesãos e microempreendedores de economia criativa;

✅Criar um Código de Posturas

atualizado e promover a fiscalização;

✅Promover o debate sobre o desenvolvimento econômico regional

com os demais municípios da Baixada Santista.

✅Organizar e estimular o Setor Turístico da cidade.


✅Desenvolver um Projeto Urbanístico integrando patrimônio histórico e cultural

através da revitalização do Porto das Naus; Deck de Lazer e Pesca; Biquinha de Anchieta; Praça 22 de Janeiro; Casa Martim Afonso, Igreja Matriz e Mercado Municipal.

✅Estimular o Turismo Ecológico e de Aventura

principalmente na Área Continental.

✅ Reestruturar a divulgação de um Calendário e Roteiro Turístico atrativos

com os setores de hospedagem, bares, restaurantes e quiosques.

✅Fomentar o desenvolvimento de atividades náuticas.

Desenvolvimento Econômico e Emprego



A gestão municipal é decisiva para o desenvolvimento da economia local, sobretudo neste contexto pós-coronavírus. As prefeituras são responsáveis por vários serviços que podem facilitar o desenvolvimento e melhorar o ambiente de negócios, através de incentivos para apoiar a expansão de atividades econômicas, tais como: fornecer educação e treinamento aos comerciantes, apoiar o desenvolvimento de pequenos empresários, comunidades e cooperativas, agricultura familiar, e melhorar a infraestrutura, de modo a possibilitar a criação de um ambiente de negócios favorável, que atraia investimentos e gere EMPREGO E RENDA para todos.


São Vicente apresenta, como já mostrado, números em sua economia muito abaixo da média regional, além de ser muito dependente de recursos vindos dos governos Estadual e Federal. Para termos uma ideia, nos últimos anos, 50% de todos os recursos financeiros da nossa cidade foram originados de transferências correntes do governo federal e do estado, o que significa que os recursos próprios que o município arrecada representam apenas os outros 50% do total de recursos da cidade.
Neste cenário é preciso encontrar soluções para o DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA LOCAL, de acordo com as nossas vocações e potenciais. Temos um comércio popular forte, que pode ser ainda mais desenvolvido. O comércio varejista é o que mais emprega na cidade, e gera 10.000 postos de trabalho. Possuímos ainda riquezas naturais como as praias, cachoeiras, rios e matas, e também um patrimônio histórico importante, formando um conjunto de elementos que permitem o desenvolvimento das atividades de Turismo, Cultura e Lazer.
Pensar no desenvolvimento econômico para São Vicente é também estimular o empreendedorismo e fomentar o desenvolvimento de outras áreas: Inovação e Tecnologia; Cooperativismo local; Economia Criativa e Solidária, atividades Náuticas e de Pesca.

Consolidar o Centro Comercial de São Vicentee

como um competitivo polo de compras da Região Metropolitana da Baixada Santista;

Promover o Desenvolvimento Econômico e Imobiliário da Área Continental

através de projetos urbanísticos, leis de incentivo e apoio técnico ao comércio local.

Estimular o pequeno e microempreendedor

ampliando e qualificando os serviços de apoio;

Incentivar e apoiar

a formalização de microempreendedores individuais;

Gerar oportunidades de empreendedorismo

e trabalho para jovens e mulheres;

Desenvolver a economia solidária e criativa

articulando parcerias com os governos estadual e federal e instituições nacionais e internacionais;

Promover e orientar o acesso ao microcrédito

através do Banco do Povo Paulista;

Estimular a qualificação técnica e profissional

de acordo com as demandas do mercado;

Criar no município um ambiente para o desenvolvimento

de atividades voltadas à Inovação

Criar uma vitrine virtual

para divulgação de produtos elaborados por artesãos e microempreendedores de economia criativa;

Criar um Código de Posturas

atualizado e promover a fiscalização;

Promover o debate sobre o desenvolvimento econômico regional

com os demais municípios da Baixada Santista.