Bem-estar do Idoso e da Pessoa com Deficiência



Saúde do Idoso



Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2050 o número de idosos no mundo irá triplicar e, como estimado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Brasil, em 2060, um a cada três brasileiros terão 60 anos ou mais. Acompanhando as expectativas mundiais, São Vicente já tem 15% de sua população idosa (cerca de 53 mil idosos), e esse número vem aumentando. Além disso, a expectativa de vida também está aumentando, em nosso país, a expectativa de vida média de 76 anos.
O envelhecimento populacional nos traz uma nova percepção da vida, e reforça a importância e a necessidade de cuidados, tornando-se necessária e urgente a melhoria das políticas públicas vigentes, além da implementação de novas políticas para fazer frente às novas necessidades da população.
Não basta pensar no envelhecimento populacional. Também é preciso pensar em como será a qualidade do envelhecimento para a nossa população, de maneira ativa e saudável. E, para isso, precisamos pensar em três condições principais: baixo risco de doenças físicas e mentais; manutenção da saúde mental e física e viver ativamente.
Para que seja possível envelhecer com saúde e de maneira ativa, precisamos contar com o empenho pessoal de cada um, com o envolvimento da sociedade em geral e, principalmente, com o suporte do governo para o desenvolvimento e manutenção de políticas públicas que proporcionem condições de envelhecer de forma digna, ativa e saudável.
São Vicente é uma cidade que já conta com muitos pontos positivos para contribuir para o envelhecimento saudável de sua população, como ser uma cidade litorânea e ter áreas verdes. São fatores importantes, mas não suficientes, pois ainda há muito o que fazer para atendermos a todas as demandas e necessidades da população idosa.
Para suprir as falhas existentes, sendo possível proporcionar o envelhecimento saudável aos vicentinos, devemos revisar as políticas públicas municipais, criar novas parcerias e gerar benefícios que proporcionem um envelhecimento saudável para a terceira idade vicentina - e para isso, é preciso conscientizar a população que o processo de envelhecimento começa a partir do nascimento. Pensando nesse novo cenário, apresentamos nossas propostas para tornar nossa São Vicente uma cidade amiga do idoso:


✅Criar o Programa Municipal de Saúde do Idoso;


✅Incentivar a atividade física na terceira idade

através de parcerias com academias e profissionais da atividade física;

✅Criar um programa para acompanhamento de idosos

que moram sozinhos em suas atividades diárias em casa, bem como avaliação periódica das condições de vida e saúde dos mesmos;

✅Viabilizar a implantação de um Centro Dia

local em que os idosos possam passar o período do dia realizando atividades para melhorar a qualidade de vida e de convívio social;

✅Aprimorar o atendimento a idosos no serviço público

incluindo capacitações sobre cuidados paliativos;

✅Ampliar a adesão aos programas federal e estadual

estadual ligados ao Programa Promoção da Saúde do Idoso;

✅Criar a Coordenadoria de Atenção ao Idoso

uma unidade na Secretaria de Saúde com foco nas políticas públicas para o Idoso;

✅Implementar a Caderneta do Idoso

unificando as informações sobre o beneficiário, facilitando o acompanhamento médico, o pré- agendamento de consulta e exames e o acesso ao prontuário do paciente, possibilitando acessar o histórico de consultas anteriores, pedidos e resultados de exames e demais dados clínicos necessários para diagnósticos, incluindo atividades sociais e cognitivas;

✅Fomentar a realização de oficinas

aulas ao ar livre, terapias integrativas e terapias ocupacionais, a fim de estimular a memória, a coordenação motora e a sociabilidade dos idosos;

✅Realizar oficinas de educação

em saúde e cuidados básicos;

✅Realizar oficinas de educação

em saúde e cuidados básicos;

✅Ofertar cursos e disponibilizar informações aos familiares

para ampliação do conhecimento em como cuidar de idosos, tanto os ativos quanto os dependentes, além de orientações acerca de cuidados paliativos e finitude da vida;

✅Ampliar a cobertura

das instituições de longa permanência aos idosos;

✅Incentivar a participação ativa do idoso em projetos educacionais

e sociais, incentivando a inclusão social e o fomento ao compartilhamento de saberes e habilidades;

✅Implementar parcerias com universidades

para ofertas de cursos para idosos;

✅Reduzir riscos de quedas em locais e vias públicas

realizando a manutenção das vias e investindo em sinalização e adequação das ruas e calçadas de nossa cidade;

✅Fortalecer o Conselho Municipal do Idoso

englobando os vários setores e cidadãos interessados nas políticas públicas voltadas para o idoso, e implementar ferramentas para a avaliação e aprimoramento das políticas públicas voltadas aos idosos que fazem uso do serviço público municipal de saúde.

Saúde da Pessoa com Deficiência



Durante muitos anos a saúde da pessoa com deficiência teve uma abordagem de caridade, ou assistencialista, e nas últimas décadas, graças a luta dessas pessoas por direitos, isso mudou.
Em 2002 foi instituída pelo governo federal a Política Nacional da Pessoa com Deficiência, incluindo em toda a rede de serviço do SUS a da qualidade de vida, assistência integral, prevenção de deficiências, às pessoas que por natureza física, mental intelectual ou sensorial têm algum impedimento de médio e longo prazo para exercerem, em interação com uma ou mais barreiras, sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas. (Lei Federal 13.146/2015).
Dessa maneira, nas nossas propostas de Saúde para São Vicente, as pessoas com Deficiência englobam superação de barreiras programáticas, de modo que os desenhos da políticas sejam também pensados nas pessoas com deficiência, metodológicas, atitudinais e arquitetônicas, sendo elas:

✅Criar um núcleo na área da Secretaria de Saúde

voltado a desenvolver políticas e projetos para a Saúde das Pessoas com Deficiência;

✅Implantar um Núcleo de Intervenção Precoce

de modo a permitir melhor prognóstico e desenvolvimento da autonomia das crianças com deficiência;

✅Disponibilizar cursos de tecnologia

para confecção de órteses e próteses por meio de parcerias com universidades locais;

✅Capacitar profissionais

para acompanhamento ginecológico, DST, acompanhamento gestacional de pessoas com deficiência;

✅Adequar todos os equipamentos públicos de saúde

prevendo disponibilidade de banheiros acessíveis, rampas, piso tátil e identificação em Braile;

✅Disponibilizar mesas ginecológicas

para mulheres cadeirantes;

✅Promover o treinamento parental

para famílias com pessoas com deficiência;

✅Expandir e ampliar a oferta de cursos e serviços de Libras

à população e central de apoio e tradução para consultas e exames;

✅Fortalecer os instrumentos de participação

das pessoas com deficiência na formulação e monitoramento das políticas de saúde.

Bem-estar do Idoso e da Pessoa com Deficiência



Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2050 o número de idosos no mundo irá triplicar e, como estimado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Brasil, em 2060, um a cada três brasileiros terão 60 anos ou mais. Acompanhando as expectativas mundiais, São Vicente já tem 15% de sua população idosa (cerca de 53 mil idosos), e esse número vem aumentando. Além disso, a expectativa de vida também está aumentando, em nosso país, a expectativa de vida média de 76 anos.


O envelhecimento populacional nos traz uma nova percepção da vida, e reforça a importância e a necessidade de cuidados, tornando-se necessária e urgente a melhoria das políticas públicas vigentes, além da implementação de novas políticas para fazer frente às novas necessidades da população.
Não basta pensar no envelhecimento populacional. Também é preciso pensar em como será a qualidade do envelhecimento para a nossa população, de maneira ativa e saudável. E, para isso, precisamos pensar em três condições principais: baixo risco de doenças físicas e mentais; manutenção da saúde mental e física e viver ativamente.
Para que seja possível envelhecer com saúde e de maneira ativa, precisamos contar com o empenho pessoal de cada um, com o envolvimento da sociedade em geral e, principalmente, com o suporte do governo para o desenvolvimento e manutenção de políticas públicas que proporcionem condições de envelhecer de forma digna, ativa e saudável.
São Vicente é uma cidade que já conta com muitos pontos positivos para contribuir para o envelhecimento saudável de sua população, como ser uma cidade litorânea e ter áreas verdes. São fatores importantes, mas não suficientes, pois ainda há muito o que fazer para atendermos a todas as demandas e necessidades da população idosa.
Para suprir as falhas existentes, sendo possível proporcionar o envelhecimento saudável aos vicentinos, devemos revisar as políticas públicas municipais, criar novas parcerias e gerar benefícios que proporcionem um envelhecimento saudável para a terceira idade vicentina - e para isso, é preciso conscientizar a população que o processo de envelhecimento começa a partir do nascimento. Pensando nesse novo cenário, apresentamos nossas propostas para tornar nossa São Vicente uma cidade amiga do idoso:


Criar o Programa Municipal de Saúde do Idoso;

Incentivar a atividade física na terceira idade

através de parcerias com academias e profissionais da atividade física;

Criar um programa para acompanhamento de idosos

que moram sozinhos em suas atividades diárias em casa, bem como avaliação periódica das condições de vida e saúde dos mesmos; .

Viabilizar a implantação de um Centro Dia

local em que os idosos possam passar o período do dia realizando atividades para melhorar a qualidade de vida e de convívio social;

Aprimorar o atendimento a idosos no serviço público

incluindo capacitações sobre cuidados paliativos;

Ampliar a adesão aos programas federal e estadual

estadual ligados ao Programa Promoção da Saúde do Idoso;

Criar a Coordenadoria de Atenção ao Idoso

uma unidade na Secretaria de Saúde com foco nas políticas públicas para o Idoso;

Implementar a Caderneta do Idoso

unificando as informações sobre o beneficiário, facilitando o acompanhamento médico, o pré- agendamento de consulta e exames e o acesso ao prontuário do paciente, possibilitando acessar o histórico de consultas anteriores, pedidos e resultados de exames e demais dados clínicos necessários para diagnósticos, incluindo atividades sociais e cognitivas;

Fomentar a realização de oficinas, aulas ao ar livre, terapias integrativas

e terapias ocupacionais, a fim de estimular a memória, a coordenação motora e a sociabilidade dos idosos;

Realizar oficinas de educação em saúde e cuidados básicos;

Ampliar a cobertura

das instituições de longa permanência aos idosos;

Incentivar a participação ativa do idoso em projetos educacionais

e sociais, incentivando a inclusão social e o fomento ao compartilhamento de saberes e habilidades;

Implementar parcerias com universidades

para ofertas de cursos para idosos;

Reduzir riscos de quedas em locais e vias públicas

realizando a manutenção das vias e investindo em sinalização e adequação das ruas e calçadas de nossa cidade;

Fortalecer o Conselho Municipal do Idoso

englobando os vários setores e cidadãos interessados nas políticas públicas voltadas para o idoso, e implementar ferramentas para a avaliação e aprimoramento das políticas públicas voltadas aos idosos que fazem uso do serviço público municipal de saúde.

Saúde da Pessoa com Deficiência



Durante muitos anos a saúde da pessoa com deficiência teve uma abordagem de caridade, ou assistencialista, e nas últimas décadas, graças a luta dessas pessoas por direitos, isso mudou.
Em 2002 foi instituída pelo governo federal a Política Nacional da Pessoa com Deficiência, incluindo em toda a rede de serviço do SUS a da qualidade de vida, assistência integral, prevenção de deficiências, às pessoas que por natureza física, mental intelectual ou sensorial têm algum impedimento de médio e longo prazo para exercerem, em interação com uma ou mais barreiras, sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas. (Lei Federal 13.146/2015).
Dessa maneira, nas nossas propostas de Saúde para São Vicente, as pessoas com Deficiência englobam superação de barreiras programáticas, de modo que os desenhos da políticas sejam também pensados nas pessoas com deficiência, metodológicas, atitudinais e arquitetônicas, sendo elas:

Criar um núcleo na área da Secretaria de Saúde

voltado a desenvolver políticas e projetos para a Saúde das Pessoas com Deficiência;

Implantar um Núcleo de Intervenção Precoce

de modo a permitir melhor prognóstico e desenvolvimento da autonomia das crianças com deficiência;

Disponibilizar cursos de tecnologia

para confecção de órteses e próteses por meio de parcerias com universidades locais;

Criar protocolos de atendimento

que orientem e facilitem os servidores no que tange ao atendimento das pessoas com deficiência e seus familiares;

Ofertar serviços de terapias integrativas

como atividades de equoterapia, musicoterapia, pet terapia, e outras;

Criar protocolos de atendimento

que orientem e facilitem os servidores no que tange ao atendimento das pessoas com deficiência e seus familiares;

Capacitar profissionais para acompanhamento ginecológico

DST, acompanhamento gestacional de pessoas com deficiência;

Adequar todos os equipamentos públicos de saúde

prevendo disponibilidade de banheiros acessíveis, rampas, piso tátil e identificação em Braile;

Disponibilizar mesas ginecológicas

para mulheres cadeirantes;

Promover o treinamento parental

para famílias com pessoas com deficiência;

Expandir e ampliar a oferta de cursos e serviços de Libras

à população e central de apoio e tradução para consultas e exames;

Fortalecer os instrumentos de participação

das pessoas com deficiência na formulação e monitoramento das políticas de saúde.